Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/05/17 às 19h46 - Atualizado em 30/10/18 às 12h21

Polo JK e ADE’s são armas do GDF para retomar crescimento

COMPARTILHAR

SEDES anuncia investimento nas Áreas de Desenvolvimento

O secretário Valdir Oliveira anunciou nesta segunda-feira (15) que o GDF vai conseguir junto ao banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID, um investimento estimado em R$ 120 milhões de reais para as Áreas de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal. Desse total, R$ 80 milhões – valor também estimado – serão investidos na ADE de Ceilândia. O dinheiro faz parte de um convênio entre o GDF e o banco e sairá por meio do Programa de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal, o Procidades, cujo objetivo é promover o desenvolvimento econômico do DF mediante melhorias no ambiente de negócios, investimentos e capacitação.

O anúncio foi feito pela manhã, durante lançamento de edital para obras de infraestrutura no Polo JK. O local receberá R$ 60 milhões para drenagem e geração de energia. Investir nas Ade’s e no Polo JK é parte da estratégia do GDF para reaquecer a economia, gerando empregos e renda.

Após o lançamento do edital, o secretário Valdir Oliveira acompanhou o governador Rodrigo Rollemberg em uma vista a duas empresas instaladas no Polo JK: o centro de distribuição da Fujioka e a Ball, empresa que produz latas de alumínio para bebidas, geradora de quase duzentos empregos diretos e indiretos.

A capacidade de produção desse setor impressionou o próprio governador. Ele saiu do local pensando em sentar com seus secretários para encontrar uma forma de trazer de volta empresas que produzem bebidas e que já estiveram instaladas no DF, mas que devido à falta de incentivos dos últimos anos foram para outros estados, como Goiás, por exemplo.

Observando as instalações da Ball, o secretário Valdir Oliveira disse que o objetivo não é simplesmente incentivar a instalação de uma fábrica, mas sim cuidar da cadeia produtiva que está em torno de uma indústria. “Esse é o diferencial da nossa visão. Uma fábrica como essa, que nós estamos visitando agora, assim como o centro de distribuição do Fujioka, mostra que ao alavancarmos uma operação como esta – melhoria da infraestrutura do Polo JK – essa cadeia produtiva que está em volta e é composta de centenas, milhares de empregos, vai fazer, seguramente, que o nosso patamar de desenvolvimento mude”, explicou o secretário, acrescentando que “o polo, por si só, não resolve o problema do reaquecimento da economia.  O importante é imaginarmos as empresas que vão estar em torno desse polo de desenvolvimento. Há no DF praticamente 200 mil micro e pequenas empresas. Essas empresas, juntamente com as que aqui estão, é que vão ajudar a combater o desemprego”, finalizou Valdir Oliveira.